Mon coeur mis à nu


Remember that day
September 14, 2009, 22:14
Filed under: Uncategorized

Já escrevi sobre meus amores que se foram aqui. Uma vez, eu tive um amor impossível, outra vez eu tive um namoro capenga, já tive um amor platônico infantil. Esse ano, eu fiz uma experiência pela primeira vez: aprendi a ter amor por mim. E eu aprendi a ter amor por mim só depois que eu parei de olhar tanto pra fora. Acho que hoje eu tenho distanciamento de todas as coisas que eu vivi antes o suficiente pra escrever sobre isso.

Em março, de fato, eu tive um breakthrough muito grande. Eu tinha tido um relacionamento muito importante ano passado, com uma pessoa de quem eu gostava muito, que quebrou meu coração. E resolvi, sem mais nem menos, esse ano, como se a vida nada tivesse me ensinado, me jogar no vazio em uma coisa sem nenhum tipo de precedente que me indicasse que eu teria um bom sucesso. E também com todos os indicativos fáticos de que eu ia ter. E deu infinitamente errado. Foi um pequeno erro de um mês, e o mais estranho é que, o que mais me entristecia quando acabou – quando ele acabou comigo, dizendo que ‘Me esforcei, mas não consegui gostar de ti…’ – era que foi um relacionamento que me disperdiçou completamente. Foi um mês que não me acrescentou nada. Não tive nada que eu não tivesse tido antes, não tive amor arrebatador, não li um livro, vi um filme ou ouvi uma música que mudasse paradigmas, não descobri uma pessoa maravilhosa. Nada. Aquilo me frustrou muito, e depois disso eu adotei uma resolução, que é o que me fez acreditar que é a coisa mais certa que eu já fiz em toda a minha vida amorosa, que foi de não ficar com ninguém, não alimentar esperanças por ninguém, porque, quando alguma pessoa que valesse a pena surgisse, ela ia saber com o que ela se deparou. Eu não sou o tipo de guria que tem que mendigar – eu leio, estudo, saio, tenho mil amigos realmente maravilhosos, me visto bem, tenho uma família que não existe de tão boa – e nada me faz ter que me doar por menos retorno emocional do que eu mereço.  Sempre que eu ou algum dos meus amigos levantava esses argumentos sobre mim, era para justificar o porque que um término meu não tinha que ser tudo isso. E, sabe o que mais, nunca tinha sido uma coisa que partiu de mim, uma resolução em que eu realmente acreditasse. Eu tive que repetir várias vezes pra mim mesma que eu merecia coisas boas, porque eu era uma pessoa digna disso. Mas pelas razões erradas, por razões externas, pelos motivos que nunca iam me fazer internalizar essas coisas. Eu tive que aprender do jeito difícil que não é sendo a melhor namorada do mundo, com toda a disponibilidade e todo o carinho, que se conquista necessariamente alguém. Eu tive que repetir pra mim mesma todo o dia que eu sou uma pessoa suficientemente boa, do jeito que eu sou, sem ter que mudar a minha essência, porque qualquer pessoa teria sorte de me encontrar. E eu acabei tendo sorte, e me encontrando. O que veio depois, tudo que veio depois, foi só reflexo disso.

Claro, nesse meio tempo foi duro. Teve o choro copioso no quarto em BH. Teve o dilema trai-ou-não-trai. Teve o CAARBaré fatídico em que tudo se esfacelou. Teve o afago no pé e o olhar choroso que me trouxeram tudo a tona. Teve ofensa via scraps, tiveram ligações, tiveram re-encontros bizarros e committeds no orkut sem aviso diplomático. Tiveram fotos no facebook, ficadas com colegas de amigas em festas aleatórias, reencontros com pessoas. E algumas amigas. E alguns amigos, aniversários, viagens, caminhos.

No fim, eu só sei que estou aqui. O mesmo que eu sempre fui, mas completamente diferente. And thank god for that.


1 Comment so far
Leave a comment

maravilhoso.

Comment by Fer Gold




Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s



%d bloggers like this: