Mon coeur mis à nu


The Pleather Man, ou a ilusão de óptica aplicada a relacionamentos
April 20, 2009, 22:14
Filed under: Uncategorized

  Muitas vezes um espécime masculino aparece cruzando nossas vidas amorosas. Alguns chamam-no de pleather man. É dificílimo reconhecê-lo, pois anda entre os demais espécimes com a devida semelhança, bons modos, educação, cortesia, enfim, ‘the works’, e parece dizer o que pensa. Tem a habilidade de parecer um dos homens bons, um leather man, resistente, confortável e extremamente sexy. Qual é a surpresa quando uma de nós o experimenta: nada maleável, passa a fazer misérias com o corpo em que está encaixado. Ao contrário do leather man, faz suar copiosamente sua usuária, nunca se adaptando às suas vontades. Faz sentido que tenha sido tão mais barato e fácil de encontrar, ao alcance da mão, no centro da cidade.

  Nunca se deixe enganar por cem reais a menos na etiqueta, pois ele se transformará em mil a mais no psiquiatra. Um pleather man tem prazer em parecer excelente, mas, assim que colocado em uso se torna completamente inviável. Pior ainda é quem continua a insistir no erro e se acomodar com band-aids para consertar erros externos a si. O problema é que não se transforma plástico em ouro, mesmo que ele seja pintadinho de dourado; não se transforma Victor Hugo em Birkin Bag; não se come Big Mac com calorias de Suprêm.

  A pergunta que resta é onde está o verdadeiro? Ele se oculta por aí ou será mais um mito inserido por montantes gigantescos de filmes açucarados e histórias publicadas em CARAS, urban relationship miths? No dia de hoje, o dia mais cáustico, cretino, bukowskiano e cínico em que me encontro me atrevo a dizer que não, pelo menos não em número suficiente para todas nós. Eles enganam, fazendo questão de que a ilusão de óptica perdure, mas ela não dura mais do que alguns meses: logo vem os empurrões, as críticas, a acidez desnecessária, o mau-me-quer. O que se pode fazer é trocar incessantemente até se encontrar um que preste, ou que, pelo menos, não seja tão falso; vejo o Beco como a Lojas Marisa do amor, numa escala crescente até uma utilizável Twin que deveria ser a faculdade: é importante ter em mente que as vezes durabilidade não é sinônimo de algo bom, principalmente quando se tratando do pleather man. Se enganar por tempo demais torna a queda do salto mais drástica.


1 Comment so far
Leave a comment

É que nunca escrevo por aqui. Mas enfim,
hoje comemoro meio louca dois meses de uma
solteirice doída e estranha, mas sabe,
tu foi a coisa mais linda e querida do mundo,
e eu até sobreviveria, mas não teria tido a menor graça, se tu não tivesse sendo a melhor-pessoa-do-mundo sempre por perto.

Te amo, gats.

Comment by Leti




Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s



%d bloggers like this: